Voluntário, o ator social que melhora o mundo

Voluntário, o ator social que melhora o mundo

Se você procura um mundo melhor mais consciente e que se importa com a valorização humana esse é o rumo certo.

Voluntariado é um conjunto de ações que transformam pessoas, comunidades e o ser humano. Quem sente amor ao bem estar de outros é chamado altruísta, esse serviço altruísta está além de um conceito de credo. Definido pela Lei 9.608/1998 que dispõe sobre o serviço voluntário, não pode ser remunerada e pode ser prestada por qualquer pessoa física ou jurídica, bem como entidade pública ou organização não-governamental (ONGs) não gerando vínculo empregatício nem previdenciário.




Muitos conhecidos trabalhos voluntários são vistos e claros pela mídia ou por sua força de contribuição. Os doadores de sangue, por exemplo, que chegam a serem compensados por dias de folga ou ainda pessoas que exercem um direito cívico como os mesários ou colaboradores nas eleições. Essas são formas de contribuição para a sociedade e de criação de valor.

Quem começa sua carreira sabe que precisa mais que uma formação, precisa de experiência, conhecimentos, cursos, estágios, trabalhos desenvolvidos em escolas mesmos que possam mostrar seu relacionamento, atividades em grupo, e mesmo os voluntariados. Ícones importantes para contribuição social são bem aceitos no mercado de trabalho, aí difere profissionais que podem ter maiores possibilidade de contratação.

Aos que já possuem anos de experiência no mercado com certeza uma ação social é vista como engajar seu networking, melhorar competências ou transmitir sua bagagem para outras pessoas com base na promoção coletiva. Quem facilita e compreende os resgates de vidas que se perdem ou que precisam de amparo, entende o quão alto valor possui o tempo investido em crianças, adultos ou idosos. Põe-se aí uma troca muito forte de emoções que o dinheiro não compra: a amizade, o afeto, a vontade de mudar o mundo não existiria se essas pessoas não fizessem sua parte.

Pode haver em um momento crises, tempos ruins, porém quando um profissional é bom, atualiza-se, procura fazer seu trabalho coerente para somar com a empresa e ficar desempregado, pode ter certeza que não muito tempo conseguirá recolocação. Uma família se cair em depressão, tiver momentos baixos, mas desde sempre foi unida, resistente, trouxe amor para seu seio, nenhum mal ficará sobrevivente, pois sua paz e vontade de estar bem é mais forte. Se um final de semana pode ter chuva, fazer serração, mas quando uma equipe está bem organizada nada disso irá atrapalhar seu trabalho social.

E o que mais importa sobre as adversidades não é o que se enfrenta, o tamanho do problema, não é isso, o aprendizado é essência de valores (honestidade, integridade, ética) que faz com que as pessoas continuem de pé. A aprendizagem memoriza uma falha e contribui para o amadurecimento, a experiência. Essa questão que vai facilitar a volta por cima.

Com isso, fica um convite para quem se identifica em prestar um serviço educacional, cultural, recreativo de forma gratuita para pessoas com deficiências, deficitárias ou carentes. Sua contribuição não precisa ser financeira, pode ser por meio de uma ação: ler para uma criança, auxiliar uma família, passear com uma idosa ou mesmo aquelas ações cotidianas que passam despercebidas: dar seu lugar para um mulher grávida ou pessoa com criança de colo, idosos, pessoas com obesidades, conversar com alguém (lembre-se no setembro amarelo e das maiores vítimas entre 15 a 30 anos de idade segundo a Organização Mundial da Saúde) com cuidado para manter sua segurança e a de outrem, enfim, passar o espírito positivo e de vida. Isso muda o mundo.

 

Leia nossa indicação e post “FICAR RICO – SAÚDE E O BOLSO”

Siga nosso insta @PensarBemViverBem





Deixe seu comentário