Sobre bilhetes escritos à mão…

Sobre bilhetes escritos à mão…

Emanemo-nos amor!

Em plena era tecnológica, onde a internet faz parte da nossa rotina, separar um tempo para escrever um bilhete à mão não é comum.




Seja um bom dia, um olá, felicitações de aniversário, formatura, ou frases de motivação, a exclusividade de dedicar alguns minutos para fazer alguém se sentir especial não se compara aos e-mails e mensagens corriqueiras do mundo virtual.

É luxuoso escolher o papel, anotar o que se passa dentro do coração e compartilhar com pessoas mais que especiais. Um carinho a mais, como se o sentimento gritasse através das letras. Coisas que sairam de moda, mas que fazem valer a pena perder um pouco de tempo, trazendo a sensação do destinatário ser exclusivo do remetente.

A escrita manual demanda esforço e concentração. Escrever algo é dedicar  o nosso tempo, é rascunhar, errar, definir a melhor frase, escolher a melhor mensagem, caprichar na letra ou buscar lá dentro o que não havia sido escrito antes.

Uma história inspiradora é a do chinês Hyong Yi, que após a perda de sua esposa, criou um projeto para lidar com a saudade e a tristeza. Com o nome “100 bilhetes de amor”, Hyong escreveu cem bilhetes com mensagens românticas homenageando sua esposa e distribuiu pelas ruas dos Estados Unidos. Sua ideia era que as pessoas tirassem um momento para pensar no amor de suas vidas, refletindo e compartilhando bilhetes com pessoas especiais.
Existem muitas outras histórias inspiradoras retratando a força e o poder dos bilhetes de papel, compartilhando amor através de simples, mas importantes gestos.

E você? já mandou bilhetes para alguém especial?
Inspire-se e espalhe amor por aí!

Sobre bilhetes escritos à mão...

 

Leia nossa indicação e post “Por que está tão difícil conjugar o verbo amar?”

Siga nosso insta @PensarBemViverBem





Deixe seu comentário