Se salvar de preocupações obsessivas

Se salvar de preocupações obsessivas

Preocupações tornaram-se um passatempo nacional. Se você está se preocupando em reembolsar o empréstimo da faculdade, ter estabilidade no emprego em uma economia instável ou certificar-se de que seu filho está se desenvolvendo corretamente, não há nada de incomum com você.




De acordo com a Associação Americana de Ansiedade e Depressão, transtornos de ansiedade são o diagnóstico mental mais comum nos Estados Unidos. Eles custam ao país 42.000 milhões dólares por ano, e caminham lado a lado com a depressão. As pessoas com transtorno de ansiedade também costumar ir de três a cinco vezes mais ao médico e têm probabilidade seis vezes maior de serem hospitalizadas por uma doença psiquiátrica.

Especialmente para aqueles de nós interessados ​​no bem-estar, pode ser cansativa a repetição da importância de “deixar ir” e “relaxar”. Apesar de este conselho ser certo, há também uma boa razão para nos sentirmos inclinados a resistir a ele. A simples razão? Biologia: todos os nossos cérebros estão conectados a preocupação.

Basicamente, os mesmos circuitos cerebrais que contribuem para a super inteligência humana em nossos lobos frontais (permitindo a tomada de decisão, resolução de problemas e planejamento) também produzem preocupação. Para o seu cérebro, a única diferença entre preocupação e planejamento é a quantidade de envolvimento emocional e processamento auto-orientado em uma parte específica do cérebro. Claro, todos nós sabemos que preocupações possuem mais emoções negativas.

Mas a prioridade número um do seu cérebro é mantê-lo vivo, e ele evoluiu para fazer isso muito bem. Às vezes, a preocupação é a resposta do corpo ao perigo, um mecanismo evolutivo para mantê-lo vivo.

Mas você pode dar passos concretos para sair da armadilha da preocupação. Você tem que aprender a acalmar e orientar o seu cérebro pensante a se livrar desse circuito do medo. Aqui estão algumas maneiras de começar:

1. Cultive uma maior consciência sobre suas emoções.

O primeiro passo para diminuir a preocupação é reconhecer quando você está fazendo isso. Torne-se consciente de seu estado emocional. No estudo Colocar Sentimentos em Palavras, quando os participantes simplesmente rotularam uma emoção, seus cérebros se acalmaram.

2. Respire fundo.

Fazer respirações lentas e profundas através de seu nariz em seu diafragma com expirações lentas acalma seu sistema nervoso e reduz a resposta do seu corpo ao estresse. Este conselho não é o mais original, mas isso não significa que não é eficaz. Pense desta forma: se a sua respiração e frequência cardíaca aceleram naturalmente quando você está sob estresse, você pode optar por mudar a sua resposta, respirando lentamente. Isto irá enviar ao seu corpo a mensagem “Eu sou relaxado,” e, como resultado, você ficará maia relaxado. É como mágica, com a ciência.

3. Não olhe para trás ou para frente.

Quando você encontrar sua mente à deriva no passado ou no futuro, volte para o momento presente, aqui e agora. Uma prática de pensamento positivo. Neste momento, você está bem. Seus pensamentos estão criando o seu senso de perigo. Trazer a sua consciência de volta para o agora acalma a amígdala temerosa em seu cérebro e ativa seus circuitos neurais de pensamento. Estudos mostram que com a repetição, a prática do pensamento positivo pode levar, a longo prazo, à redução da ansiedade e preocupação duradoura.

4. Preste atenção apenas ao que você pode controlar.

Seu cérebro anseia por controle e se sente mais feliz calmo quando se sente mais no controle, mesmo que seja apenas uma ilusão. Sentir-se no controle pode reduzir a ansiedade, preocupação, e até mesmo dor. Portanto, evite imaginar os piores cenários possíveis e preste mais atenção ao que está em seu controle, isso modula a atividade do cérebro para reduzir a ansiedade.

5. Tome uma decisão, mesmo que não queira.

Tomar uma simples decisão sobre o que te preocupa, invoca seu cérebro pensante, aumenta os níveis de dopamina, e desloca o foco da percepção do seu cérebro para as coisas que mais importam. Tomar uma decisão, qualquer decisão, também eleva o seu controle percebido dando à sua confiança e humor um impulso te que ajuda a ter uma ação positiva.

6. Foque no suficiente.

Preocupações são muitas vezes desencadeadas por expectativas irrealistas ou perfeccionistas sobre si ou outras pessoas. Não tente ser o pai perfeito, apenas seja um bom pai. Seu filho não precisa ir para a melhor faculdade do mundo. Ele só precisa ir para a faculdade. Você não tem que ser uma modelo. Você só quer ser saudável.

O problema com a preocupação surge quando os circuitos de ansiedade do cérebro são ativados com muita frequência e ficam presos na posição “Ligado” continuamente, o que desencadeia reação de medo no corpo. Isso, então, ativa a resposta ao estresse, o que causa uma bagunça miserável. Então ao invés de tornar-se mais estressado com preocupação atrás de preocupação, pense em “preocupação” como seu cérebro apenas fazendo seu trabalho. Você não quer que ele fique muito entusiasmado.

Via Mind Body Green

 

Leia nossa indicação e post “É possível chegar a perfeição do ser humano?”

Siga nosso insta @PensarBemViverBem





Deixe seu comentário