Relativismo moral

Relativismo moral

Mario Sergio Cortella e um de seus excelentes textos sobre “Relativismo moral”.




Cada vez mais, nós entendemos que é preciso aceitar as diferenças de pensamento, as diferenças de postura, isto é, valorizar, numa democracia, numa convivência cidadã saudável, o fato de as pessoas serem como são. Dizer que alguém é como é não significa que eu vá atacar o modo como ele é, apenas porque ele não é como eu. Mas também não significa que eu deva aceitar qualquer coisa de alguém.

No campo da ética e da prática moral, precisamos ter cautela com o relativismo. O que é o relativismo? “Bom, se eu tenho que respeitar o outro como ele é, então vale qualquer coisa.” Não é verdade. Compreender é diferente de aceitar. No entanto, rejeitar ou não acatar, sem antes ter compreendido, é preconceito. Eu preciso compreender antes de aceitar ou rejeitar, todavia, a compreensão não significa que eu estou acatando.

No campo da ética, dos valores de conduta, da convivência social, a nossa capacidade de achar que as pessoas podem pensar de maneira diferente ou ter atos diferentes não nos obriga a considerar que, só porque é diferente, então, também é certo. Isso é relativismo moral. É necessário trazer à tona a ideia de que acatar as diferenças não implica implantar a lógica do vale qualquer coisa.

Há princípios éticos, como a decência, a honestidade, a solidariedade, que servem de referência para nós. Quem deles se desvia está saindo de um caminho que aí mesmo é que não vale qualquer coisa. Tem coisa que não vale!

 

Mario Sergio Cortella

 

Compre o Livro “Pensar Bem nos Faz Bem Vol” do filósofo Mario Sergio Cortella.

 

Mario Sergio Cortella é um filósofo, escritor, educador, palestrante e professor universitário brasileiro mais conhecido por divulgar questões sociais ligadas à filosofia na sociedade contemporânea.

Outros Livros do filósofo Mario Sergio Cortella:

 

Deixe seu comentário