Por que está tão difícil conjugar o verbo amar?

Por que está tão difícil conjugar o verbo amar?

Vivemos a era do fácil, do rápido e do descartável. Embora pareça clichê falar sobre tal assunto, muito se fala, muito se ouve e quase nada é posto realmente em prática. Uma geração confusa. Todo mundo procura alguém, mas ninguém se encontra.
Urgentes de afeto, carentes de sentimentos recíprocos, procuramos feito loucos por pessoas capazes de suprir isso. E nessa busca desvairada, tudo acontece rapidamente. Trocamos de amor assim como quem troca de roupa. Se relacionar está cada vez mais difícil. O que antes era trabalhoso e demorava a acontecer,  hoje basta um clique e vários encontros já são marcados. Não gasta investir em conquistas, tudo acontece rapidamente e se esvai da mesma maneira.




Na modernidade líquida, inúmeras histórias de amor escolhem não acontecer. Sentimentos vagos, pessoas cheias de si e vazias dos outros, muita disponibilidade pra pouca disposição. A ideia do desapego é vista como uma das maiores qualidades do caráter humano. Sedentos de sentimentos recíprocos, precisados de carinho, pobres de afeto e ricos de ego, trancafiamos em quartos, lotamos bares e festas afogando as mágoas e tentando esquivar da realidade, levantando a bandeira do desapego para disfarçar as dores.

Temos corações demais à deriva. Estamos na constante busca por alguém que nos entenda, aceite nossas imperfeições e nos mostre que ainda vale a pena acreditar no amor. Se você é sentimental e dispõe a fazer a diferença, as pessoas te machucam e se você é frio, acaba machucando as pessoas.

Pensamos demais e sentimos de menos. Às vezes, o amor que tanto queremos é o mesmo que não damos. A carência sempre nos vendem baratos por coisas que na maioria das vezes não vale a pena. Numa sociedade marcada pelo desamor, lutemos por uma geração que se ame, se doe e se arrisque. Por pessoas que nos motivem a sermos melhores e não nos façam desistir na primeira crise ou desentendimento. Busquemos pessoas que somam, dividam conversas, risadas, sentimentos. Que além do corpo, haja comunhão da alma.

Somos feitos para a troca e para facilitarmos a existência uns dos outros. A verdade é que a gente quer um relacionamento igual ao de nossos pais, nossos avós, alguém que seja permanente em meio a tantas pessoas temporárias.

Se disponha a usar o coração e fazer a diferença. Amor não deve ficar pra depois. Amanhã vira nunca. Não importa quão pequena seja a tarefa, dê o primeiro passo agora, para que sua história de amor não passe sem acontecer.

 

Leia nossa indicação e post “Por que somos vitimas da dependência do amor?”

Siga nosso insta @PensarBemViverBem





Deixe seu comentário