NAS BATIDAS DO NOSSO CORAÇÃO

NAS BATIDAS DO NOSSO CORAÇÃO

O trabalho é bom para o coração.

Se você está em harmonização entre sua carreira e a vida pessoal está em vantagem. Muitas pessoas não conseguem separá-las. Não há certo nem errado sobre essa questão. Depende se conseguirá realizar com competência suas atividades e se não causará problemas na união das duas vidas. Claro, se avaliar bem quem está vivendo, encontrará apenas uma pessoa com diversos pensamentos, sentimentos, razões para viver. Sempre foi assim: damos passos tímidos em algumas questões e em outras, passos seguros. O tamanho proporcional é o que se alcança. Há “olhos grandes” que sempre pensam que são capazes de dar maiores, mas entender que se praticar mais, estiver preparado, poderá alcançar melhores desempenhos, é a melhor alternativa a ser feita.




PREPARAÇÃO

É uma palavra que merecia estar destacada em todas as alternativas que vierem ser feitas. Quando você trata sua moradia com afeição, qualidade e com pretensões aos prazeres do tempo livre, você se revigora, logo se preparando para um melhor desempenho também nas horas de folga. Não deve ser diferente nas relações de trabalho, ainda mais quando se há resultados maiores, desafios mais importantes e impactantes. Planejamento faz parte da qualidade de vida e sua busca é mais um passo a caminho de uma vida melhor.

Para ser mais eficiente na existência, precisa haver a gerência da sua saúde ora mental, física e financeira, expandir possibilidades e métodos para se viver conscientemente bem. Não existe mistério na disciplina “viver”, existem escolhas e prioridades, sejam elas para conquistar objetivos físicos como um carro, um apartamento ou coisas materiais, como também um prêmio, um destaque ou honra social, e também uma liberdade financeira ou rendimentos investidos em canais de controle (debêntures), por exemplo, tornando-se etapas que se constroem ao longo da carreira. Essas etapas são procedimentos necessários para dar valor ao processo consciente da qualidade de vida. Não nomeá-los, não planejar o próximo objetivo referente a uma conquista pode ser benéfico ao seu coração.

Pessoas que praticam atividades físicas semanalmente são mais felizes. Essa assimilação é simples, veja: quando você se sente útil em uma tarefa normalmente é recompensado; por exemplo, na infância pode ter recebido doces, na adolescência presentes, na faculdade um aprendizado diferenciado, na vida adulta um aumento salarial, na velhice uma melhor qualidade nos órgãos reguladores. Então, não precisa ser um “perito” para identificar que, se uma ação feita por um profissional adequado, e com controle obterá diversos benefícios, no caso da atividade física, melhor preparo para enfrentar doenças ou amenizá-las, consequentemente mais um passo de sucesso.

DISPONIBILIDADE PARA SER FELIZ

Ser digno de merecer a certificação da felicidade é importante. O maior legado do ser humano é sua disponibilidade. Esteja disponível para a mudança, para a inovação, o diferente. Diferente, aqui, com sentido de melhor desenvolvimento. Mais que uma simples proposta que pode ser negociada, transforme-a composta, multi-alternativa. Entenda que as alternativas fazem a competitividade aumentar, assim, no caso corporativo, os preços tenderão a cair e seu bolso sobrará mais dinheiro. Nas alternativas humanas, quando nos sentimos úteis recebemos estímulos de querer continuar fazendo a diferença. As empresas valorizam profissionais que transformam a cadeia onde vivem, o ciclo por onde passam, seja por velocidade de processos, desenvolvimento de papeis e planos de ações. Profissionais assim são diferenciados pela visão futura que concebem antes de problemas ou questões aparecerem, também pela sua rápida resolução diante da flexibilidade de adiantamento e previsão dos fatos. Pessoas desse formato são compostas, ou seja, possuem dupla visão. Uma que acontece no momento e outra após sua conclusão, quando já está resolvido. Enfim, diversas possibilidades.

E se uma carreira transforma ou ponto de vista não transformará uma geração? Olhai a moeda digital que trás um método da desregulamentação financeira, pelo menos em parte. São modificações que ocorrem ao longo do tempo para facilitar vida de clientes em seu primeiro momento, mas quando se põe experiência e habilidades construtivas avalia-se o perigo de crises e questões da familiaridade com dispositivos móveis. Afinal, o público que mais lida com o dinheiro está acima dos quarenta e cinco anos e isso se explica pelos impostos considerados e trocas de moedas. Aí está a questão da praticidade do mercado jovem o qual aplica no consumo. Logo se entende que a posse da novidade e inovação é passageira, assim como os jogos que a própria geração utiliza: rápida e instantânea. Febres vêm e voltam. Crises da mesma forma. Algumas coisas não, pois se impactam na cultura. Eis o entendimento realista.

O AMOR FAZ BEM PARA O CORAÇÃO

Os relacionamentos nos mostram a importância de construir uma boa comunicação perante nossos clientes. A sedução implantada nos relacionamentos sexuais dos animais serve para encantar parceiras, a fim de mostra-las que são os melhores no que fazem. As empresas aplicam o mesmo roteiro com resiliências. No trabalho, inspire-se com seu “feeling” diante da sedução mental e fortalecimento de ideias, ou seja, especialize-se, faça cursos extracurriculares, trabalhos voluntários. Esteja preparado para seduzir não só o cliente, mas o avaliador na hora da entrevista expondo o que tem de melhor. E, nesse caso, não falo sobre o corpo, sentido da sexualidade não, falo de suas competências e vontades em aprender. Isso é agregado em um teste de emprego.

Ser amado faz bem para o coração. Conhecer pessoas em locais diferentes, passeios, visitas diversas, se dar o luxo de puxar um assunto que alguém que não conhece é um passo para o coração pulsar mais forte, bater o nervosismo. Calma. Fale calmamente seu interesse pelo local e o que trouxe ali. O primeiro contato conta e os primeiros segundos descreverão à outra pessoa se a “química” fluiu. Não é correto que o primeiro relacionamento com alguém haverá um beijo. Pode acontecer no segundo encontro. Estar seguro de si, mostrar conteúdo na comunicação e tomar a atitude de falar com a pessoa já é mais que o simples passo da conquista, é passar a barreira da “vergonha”, estar disponível, abrir possibilidades. Não se esqueça que se, em uma entrevista, todos os candidatos estiverem sentados e o entrevistador dizer para que se reúnem e discutem um tema, não se acanhe, vá ao ponto que foi pedido, tome a iniciativa, isso será bom para seu relacionamento e coração.

O resultado é fazer bem para o coração. Operacionalizar ações que transmitem uma boa energia. O tempo pode passar mais de cinquenta anos, mas o aprendizado não se esquece, fortalece, revigora. O hino nacional brasileiro diz: “Verás que um filho teu não foge à luta […]” letra e música de Joaquim Osório Duque Estrada (1870-1927) e Francisco Manuel da Silva, respectivamente. Isso não foi escrito e composto à toa, serve para todo cidadão brasileiro lembrar-se que deve ter orgulho de sua história, seu país. Esse sentimento é nacionalista. Então é um bom encorajamento nas relações e relacionamentos. Nessa ideia de agora, não de enfrentamento, de ir “à luta”, e sim de não ter vergonha, ter orgulho humilde e felicidade. Se for à luta que seja com flores, caixa de bombom, um perfume e uma reserva para um jantar romântico. Como sempre digo: dê preferência a mais amor e menos saudade.

 

Leia nossa indicação e post “QUAL A SUA IMPORTÂNCIA PARA VIVER?”

Siga nosso insta @PensarBemViverBem





Deixe seu comentário