Já ouviu falar sobre Self-Shock?

Já ouviu falar sobre Self-Shock?

Texto Psicóloga Renata Godoy
Insta: @RenataGodoyPsico




Psicólogos que atendem imigrantes tem percebido que muito se fala sobre o choque cultural que acontece ao entrar em contato com um mundo diferente do que são acostumados. Ele é a primeira etapa do processo de adaptação cultural a um novo ambiente.

Mas não precisamos apenas nos adaptar, certo? O que mais acontece com o nosso “EU”, com nossa identidade, quando entramos em contato com um novo ambiente?

Diferentemente do que a maioria de nós pensa, nossa identidade não é algo fixo ou que nos é dado ao nascermos. Ela é construída, passo a passo, quando nos deparamos com outras pessoas. Somos seres sociais! O que as pessoas nos contam, a percepção delas sobre nós e como respondemos a estas opiniões, vão construindo o nosso “EU”.

Contudo, ao imigrarmos, estas pessoas são outras e inicialmente não sabemos muito bem o que elas pensam sobre nós e nem como devemos nos comportar diante de novas situações.

Muitas vezes, algumas atitudes que tínhamos no nosso país de origem perdem o sentido no novo contexto.
E passamos a adotar novas formas de agir perante o mundo.

E é neste ponto que entramos em Self-Shock: quando não conseguimos nos reconhecer ao nos comportarmos de uma nova maneira.

Perguntas do tipo “Quem sou eu aqui?” começam a rondar nossos pensamentos.

É uma fase de adaptação da identidade na qual o imigrante percebe que não é mais quem era, mas ainda não tem uma percepção clara de quem passou a ser.

Saiba que sentimentos como perda de autoconfiança e frustração são bem comuns. Além de muitas dúvidas sobre quem somos ou estamos começando a ser.

Cuidar de suas emoções e pensamentos neste momento é primordial. Compreender esta fase como uma crucial oportunidade para que sua identidade seja lapidada, aprimorada, reconstruída pode ser a chave para que se ultrapasse o Self-Shock.

 

Texto Psicóloga Renata Godoy

 

Leia nossa indicação e post “Efeito Dunning-Kruger: características e prejuízos deste efeito psicológico”

Siga nosso insta @PensarBemViverBem





Deixe seu comentário