DIRETRIZES PARA MOTIVAÇÃO: PRÁTICA ESPORTIVA

DIRETRIZES PARA MOTIVAÇÃO: PRÁTICA ESPORTIVA

Esse texto apresenta algumas diretrizes que podem ser seguidas por professores educação física, técnicos e monitores para aumentar o nível de satisfação e motivação em participar de atividades físicas, promovendo a aderência de pessoas sedentárias, combatendo e prevenindo uma série de complicações de saúde. As diretrizes apresentadas podem ser auto administradas e aplicadas também a contextos diferentes do esporte.




 

Levar em consideração características do indivíduo e ambiente no qual está inserido

É muito comum considerarmos falta de motivação como resultado de características de personalidade, evitando a culpa por parte de pais, educadores, treinadores pela baixa motivação do indivíduo. Algumas vezes, chegam a atribuir isso ao ambiente

Normalmente, baixa motivação resulta de uma interação entre fatores pessoais e ambientais. Recentemente, estudos vem indicando a importância do clima motivacional do ambiente, pois estes costumam ser mais fáceis de serem alterados, do que características pessoais. É importante ressaltar a necessidade de manter contato e monitorar o indivíduo em questão, pois a motivação para algo pode se alterar com o tempo.

 

Compreender os motivos que levam o indivíduo a se engajar

É importante reconhecer o porque da participação em determinadas atividades, sendo que estas diferem de pessoa para pessoa, por exemplo, alguns participam devido à vontade de desenvolver habilidades específicas, demonstração de competência, natureza desafiadora do esporte, diversão, etc. A maioria dos adultos cita também a possibilidade de melhora da saúde.

Deci e Ryan (1985, 2000) desenvolveram a teoria da autodeterminação, segundo a qual todo indivíduo busca satisfazer três necessidades principais: sentimentos de competência, autonomia e pertencimento à algo. Dependendo de como essas necessidades são interpretadas pelo indivíduo, seu nível de motivação pode variar entre amotivação, motivação intrínseca e extrínseca. É importante salientar que as pessoas podem apresentar mais de um motivo para participação, motivos que competem entre si (por exemplo ter de escolher entre se exercitar ou sair com amigos), e existem diferenças entre gênero e cultura.

 

Novamente, a importância de monitorar o indivíduo fica clara. Para identificar quais os motivos que certo indivíduo tem para se engajar em uma atividade deve-se verificar o que gosta e não gosta sobre ela, procurar informações com terceiros (amigos, pais, etc) e de vez em quando pedir feedback ao próprio indivíduo.

 

Alterar o ambiente para aumentar níveis de motivação

É crucial propiciar momentos de competição e recreação, oferecendo à cada indivíduo aquilo que buscam. Além disso, estruturar a atividade de forma a propiciar oportunidades distintas, como de treinamento físico, técnico, interações com colegas, etc. Por fim, ajustar seus comportamentos e forma de comunicação às necessidades dos participantes.

 

Intervenha sobre a motivação dos participantes

Apesar de muitas vezes ser difícil de identificar momentos adequados para intervir, e as consequências desta ação, toda interação com o indivíduo pode afetar sua motivação (por exemplo, seu estado de humor pode afetar seus comportamentos). Portanto é importante reconhecer que, pessoas em posições de liderança, como técnicos e educadores, influenciam seus pupilos constantemente, tanto verbalmente, quanto em termos comportamentais.

 

Modificação comportamental pode ser útil para alterar motivações inadequadas

Alguns indivíduos apresentam níveis motivacionais satisfatórios, mas o conteúdo dessas motivações pode ser negativo, por exemplo, quando um paciente com problemas de saúde necessita desenvolver motivação mais intrínseca, ou um atleta participa de esportes com o desejo de causar lesões nos adversários. Nessa situação o responsável poderia esclarecer a importância de ser agressivo, mas manter um jogo limpo, reforçando jogadas limpas e punindo as perigosas

 

Conclusão

Existem muitas medidas que podem ser tomadas para aumentar o nível de motivação de um indivíduo para se engajar em atividades específicas. Isso se torna crucial quando a atividade é capaz de propiciar benefícios físicos e psicológicos, por exemplo, a participação em esportes.

As medidas descritas aqui podem auxiliar na motivação e consequente adesão à um programa ou atividade esportiva, garantindo participação a longo prazo e permitindo tempo o suficiente para que o indivíduo passe a perceber os benefícios daquilo.

 

Referências

DECI, E. L.; RYAN, R. M. The ‘what’ and ‘why’ o goal pursuits: Human needs and self-determination of behavior. Psychology of Inquiry, v. 11 p. 227-268, 2000

DECI, E. L.; RYAN, R. M. intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum Press, 1985

WEINBERG, R.; GOULD, C. Foundations of Sport and Exercise Psychology 6th Edition With Web Study Guide. Chaimpaign, IL: Human Kineti

 

Leia nossa indicação e post “PRIMEIROS PASSOS DA PSICOLOGIA DO ESPORTE E EXERCÍCIO”

Siga nosso insta @PensarBemViverBem





Deixe seu comentário