Demonstrar – “Faz sim, depois lida”

Demonstrar – “Faz sim, depois lida”

É que a reação do outro se faz mais importante em nossas fantasias…

Pensamos em não nos expor, não demonstrar qualquer que seja o sentimento a alguém, porque estamos tão concentrados na resposta do outro que não reconhecemos a importância que a demonstração tem para nós.




Vulneravelmente exposto, a falta de empatia a que estamos sujeitos vai machucar. A rejeição vai machucar. Perceber que o que você vem carregando, nutrindo, e que te gera ansiedade e todo tipo de sentimento, não tem aceitação, não é reciproco e não faz diferença para o outro, agride instantaneamente o ego.

É que o que encaramos como o pior tipo de rejeição, é na verdade uma limitação, e na maioria das vezes, uma limitação do outro. Numa relação ambos estarão sempre expostos, o que você coloca diante do outro é seu, a resposta que vem a partir do seu movimento, é dele. E você vai entrar em contato com sentimentos de rejeição, inadequação e qualquer outro tipo de sentimento que o faça sofrer diante de um “não”, mas a verdade é que a medida que nos colocamos diante do outro, também o temos tão exposto e vulnerável quanto nós.

Entramos em contato com a quebra das ilusões, com a quebra das idealizações ou nos surpreendemos de forma positiva. Reconhecemos a partir disso, angustias que talvez não reconheceríamos em nenhuma outra ocasião e aprendemos que o outro está exposto sim, mas a sua maneira e com o que tem para oferecer. Expressar é crescer. É moldar os próprios comportamentos, é entender sobre limitações e aprender a aceitar o outro tal como é.

Andréia Ribeiro Lemos
Psicóloga CRP:01/20735

 

Leia nossa indicação e post “A verdade – Circunstancial”

Siga nosso insta @PensarBemViverBem





Deixe seu comentário