Conheça alguns hábitos tóxicos que drenam sua energia

Conheça alguns hábitos tóxicos que drenam sua energia

Acompanhe o meu raciocínio…

Sabe quando você viaja de carro e está em direção a uma localidade desconhecida, ouvindo música enquanto tenta prestar atenção às indicações visuais do seu GPS? Eis que, de repente, você chega àquela parte do percurso que é ridiculamente confusa porque o seu GPS começa a disparar informações e direções que o deixam ainda mais embaralhado, e então você, instintivamente, diminui o volume do rádio, mesmo não tendo, este, qualquer impacto direto sobre a forma como você lê as instruções do GPS?




Um outro exemplo, bem familiar, é o que acontece quando nos estamos ouvindo música alta e, de súbito, alguém começa a perceber um cheiro estranho, muito estranho… e sente a necessidade de baixar o volume da música para melhor compreender esse cheiro e a sua origem, mesmo não tendo, o volume da música, qualquer impacto direto sobre a forma como nós sentimos os odores.

Assim é a sua vida. Por vezes cheia de ruídos que você precisa desligar para se poder concentrar. Esses são os desnecessários ruídos sugadores de energia que vivem na sua cabeça, e são, quase sempre, provenientes de hábitos tóxicos que você alimenta.

Ao diminuir o volume da música você re-energiza a sua mente, proporcionando-lhe clareza e concentração quando você mais precisa. Você, provavelmente, nem sequer pensa em como ou porquê isso faz uma tal diferença, você apenas sabe que faz.
Agora está na altura de aplicar esse mesmo princípio em todos os outros ruídos que preenchem a sua vida, começando com o barulho desnecessário que reside na sua cabeça.

E você perguntar-se: Mas como?

O primeiro passo é eliminar os hábitos tóxicos que sugam energia e que suportam esse barulho mental. Para o ajudar neste processo, Marc e Angel Chernoff, com mais de dez anos de experiência como “Life Coaches”, apresentam-lhe os 10 hábitos tóxicos com os quais mais as pessoas lutam, sistematicamente, nas suas vidas:

1. Fingir que está tudo bem quando, na realidade, não está.

Você sente-se sobrecarregado? Oprimido? Você tem vontade de desistir?

Não há, honestamente, vergonha nenhuma em se sentir assim! Você não é um robô; e mesmo se fosse, você ainda precisaria parar, às vezes, por questões de manutenção. Não há vergonha nenhuma em admitir, para si mesmo, que você se sente exausto, indeciso, ou em baixo. Isto é uma condição natural do ser humano. O simples facto de você estar ciente disso significa que possui a capacidade de mudar. Não há problema nenhum em se deixar “desmoronar” por um curto período de tempo. Você não tem que fingir ser sempre forte, e não há necessidade de provar, constantemente, que tudo está a correr bem. Você também não se deveria preocupar com o que as outras pessoas pensam – chore, se sentir que precisa – é saudável deixar derramar as suas lágrimas livremente. Quanto mais cedo você se permitir isso, mais cedo será capaz de sorrir novamente.

2. Deixar que a dor do passado arruíne o seu presente.

Eu sou mais forte devido aos tempos difíceis que passei, mais sábio devido aos erros que cometi, e mais feliz porque conheci a tristeza.
O mesmo é verdade para si. Cada situação, cada tentativa contém uma oportunidade de aprendizagem e auto-reflexão. Cada desgosto, frustração, decepção ou medo é um professor na nossa vida. Lembre-se que nada é tão mau quanto parece. Nada. Existe um benefício e uma benção escondida em cada experiência e em cada resultado. Portanto, não se atreva a desistir do hoje por causa da forma como as coisas pareciam ontem. Nem sequer perca tempo a pensar nisso. Cada dia é um ótimo dia para tentar novamente.

3. Acreditar que os seus melhores dias estão no futuro ou no passado.

Você passa a sua vida inteira preso num labirinto, pensando, assiduamente, na forma como um dia você irá escapar e em quão incrível será a sua vida…
Ao Imaginar esse novo futuro imaculado, você mantem-se motivado a seguir em frente, mas, na realidade, você raramente segue em frente na direção de se libertar e de conquistar esse futuro sonhado. Você apenas usa o futuro para escapar do presente. Isto é precisamente o que mantém tantos de nós estressados e infelizes. Por outro lado, a obsessão com o passado é igualmente uma prisão. Este é um dos hábitos tóxicos mais viciantes e que é imprescindível quebrar. Acontece que para isso precisamos aceitar que existem apenas dois dias no ano em que nada pode ser feito ou mudado. Um deles é o “ontem” e o outro é o “amanhã”. O que quer dizer que hoje, este momento, é o momento certo para amar, rir, trabalhar e viver com coragem e confiança. Sim, este momento precisa da sua atenção total, pois este é o único momento e lugar nos quais você está realmente vivo.

4. Agarrar-se à pessoa que você era antes de uma das tempestades da sua vida.

Tempos difíceis são como fortes tempestades que sopram contra si.

Estas tempestades não o impedem, apenas, de chegar a lugares que você, de outra forma, poderia conseguir chegar. Estas também lhe retiram, à força, todas as nuances do seu ego que não são essenciais, para que, então, você se possa ver, a si mesmo, como você realmente é, e não apenas como você gostaria de ser. Estes são grandes acontecimentos. Pode parecer impossível de compreender agora, mas um dia você vai olhar para trás, para as tempestades que atravessou e sobreviveu e expressar um silencioso agradecimento. Para muitos de nós, foram as tempestades das nossas vidas que nos deram a conhecer a compaixão, a bondade e a gentileza que de outra forma não teríamos conhecido – e que agora podemos oferecer aos outros, porque estas qualidades residem dentro de nós.

5. Resistência à mudança e ao crescimento.

Você deveria conscientemente perguntar-se: “Eu estou empenhado em conquistar um sentimento de bem estar, ou estou empenhado em conseguir crescer?”
Isto porque o crescimento nem sempre o fará sentir bem, e sentir-se bem nem sempre lhe proporcionará crescimento. Nenhuma das respostas está errada, desde que exista equilíbrio. O importante é lembrar-se que sentir-se desconfortável também é importante, e que esse desconforto normalmente aparece na hora certa. Não o evite – abrace-o. Canalize a sua energia para o progresso. Todo o crescimento começa no final da sua zona de conforto. Quando você se sentir desconfortável, saiba que a mudança que está ocorrendo na sua vida é um começo de algo, não um fim.

6. Preocupar-se, preocupar-se, preocupar-se e nunca ter coragem para agir.

A preocupação é o maior inimigo do momento presente. Por outras palavras, é o maior “empecilho” da sua vida.
A preocupação não faz nada para além de roubar a sua alegria e mantê-lo muito ocupado a fazer absolutamente nada de construtivo. É como usar a sua imaginação para criar coisas que você nem sequer quer. Quebre esse hábito negativo! É muito melhor sentir-se exausto de um esforço despendido em prol de algo, do que estar cansado de não fazer nada para além de se preocupar. Não desperdice o seu esforço evitando esforços. Vá em frente e aja, concretize. Hoje, pergunte-se o que é realmente importante e depois tenha a coragem de construir o seu dia em torno da sua resposta.

7. Sacrificar-se sempre em prol dos outros.

Não se sacrifique assim tanto, porque se você o fizer, restará muito pouco de si para ​​dar a qualquer outra pessoa, inclusive àqueles que você tanto ama.
Sempre que você se sentir preso e claustrofóbico, por tanto se sacrificar, deixe-me lembrá-lo – não se esqueça de colocar a sua própria máscara de oxigênio primeiro. Cuidar de si próprio não o faz egoísta mas sim altruísta. Na verdade, é a forma mais verdadeira de altruísmo que se pode experimentar. Somente quando cuidamos de nós próprios com respeito e atenção, somos capazes de cuidar dos outros. A fim de realmente ter uma relação de amor e suporte com outras pessoas, você precisa aprender a ser o seu melhor amigo em primeiro lugar. Tudo se resume a se sentir apaixonado por si mesmo primeiro e partilhar esse amor com as pessoas que o apreciam, em vez de ver no amor uma forma de compensação pelo déficit de amor-próprio.

8. Levar tudo de forma pessoal.

Existe uma enorme sensação de liberdade resultante dos momentos em que você consegue não tomar as coisas de forma pessoal.
Na verdade, e por mais que lhe pareça o contrário, raramente as pessoas fazem ou dizem alguma coisa por sua causa. Elas fazem e dizem certas coisas por causa delas próprias ou como reflexo delas próprias. O que quero dizer é que mesmo quando parece que é algo pessoal, provavelmente não é. Lembre-se disso e não se deixe afectar. Ao invés disso, quando você se sentir com raiva, desgostoso, ou vitimizado pelas ações de outra pessoa, procure encontrar, dentro de si, uma qualquer semente de tolerância que o permita entender o quanto essa pessoa deve estar dorida ou ferida, o quão sobrecarregada deve estar a sua alma, e como deve estar devastadoramente endurecido o seu coração a fim de se comportar de uma maneira que está, seguramente, desalinhada com a sua própria integridade.

9. Deixar que os pensamentos negativos o vençam.

Não acredite em tudo que você ouve – mesmo vindo da sua própria mente.
Escolha sentir-se infeliz e você encontrará inúmeras razões para se sentir realmente infeliz. Escolha sentir-se feliz e você encontrará inúmeras razões para se sentir feliz. É tão simples assim 99% do seu tempo. Falar sobre os nossos problemas é o nosso maior vício. Abandone esse hábito negativo. Fale antes sobre as suas alegrias, as suas paixões e os seus sonhos. Seja escandalosamente e irracionalmente positivo. Seja bem disposto, criativo e ridículo e alegre, tudo ao mesmo tempo. Essa atitude irá fazê-lo sentir muito melhor.

10. Recusar-se a libertar-se do controle, e a abrir-se à incerteza.

A verdadeira felicidade exige coragem. A sensação de vulnerabilidade é uma prisão ilusória.
Experimente expor-se ao mundo arriscando mesmo parecer tolo ou estranho! Não é fácil transpor os limites da sua vulnerabilidade, mergulhar fundo e mais fundo na essência de quem você é como pessoa, amar e aceitar as partes imperfeitas de si mesmo, e mais difícil ainda é expô-las aos outros. Você tem que estar disposto a libertar-se das normas, a parecer menos “fashionable” e a parar de se preocupar tanto com o que as outras pessoas pensam. Trata-se de tomar uma posição. Na verdade, todos nós temos que arranjar tempo para desacelerar, para romper com o ritmo louco da vida e tirar um minuto para nos sentarmos a olhar para o céu sem termos que consultar a próxima mensagem ou email, assistirmos ao pôr do sol sem termos a necessidade de postá-lo fotograficamente no Instagram ou Facebook… apenas necessitamos libertar-nos e sermos nós mesmos, para nós mesmos. Temos que pôr de lado os nossos egos e dizer “SIM” ao momento atual, ao amor incondicional, a abrirmo-nos à vida, ao acaso, à incerteza, a permitirmo-nos ser feridos uma e outra vez e, acima de tudo, a dizer “SIM” ao acto de arriscar e ser autêntico.

O caminho é seu…

Se você se identifica com qualquer um destes hábitos tóxicos, saiba que não está sozinho. Todos nós, por vezes, somos apanhados nas ratoeiras das nossas próprias cabeças e acabamos por fazer coisas que nos impedem de perceber o nosso verdadeiro potencial e seguir o nosso verdadeiro caminho. A chave é CONSCIENTIZAÇÃO – reconhecer esses hábitos tóxicos e alterá-los progressivamente.

Com um passo de cada vez se começa um novo caminho.
Se você tiver já experienciado a magia da transmutação de hábitos ou padrões de pensamento tóxicos deixe um comentário e compartilhe connosco a sua experiência. Juntos podemos fazer a diferença.

 

Leia nossa indicação e post “Entenda como funciona um “relacionamento tóxico””

Siga nosso insta @PensarBemViverBem





Deixe seu comentário