A gratidão começa em casa

A gratidão começa em casa

Muito se fala sobre o processo de gratidão para se alcançar a prosperidade. Diversas linhas religiosas e místicas enfatizam o poder desta prática. Experimentos com moléculas de água submetidas apenas a palavra gratidão se transformaram de maneira fantástica.




E podemos perceber isto nas entranhas, quando realmente nos vemos gratos, e uma sensação indescritível!

Agradecer a Deus na forma de orações, às pessoas ou situações diárias tem um potente efeito na prosperidade e na vida como um todo. Mas por que, mesmo fazendo tudo corretamente, não se alcança um estado próspero? Na minha experiência com o trabalho sistêmico, percebi que muitas pessoas conseguiam ser gratas ao que tinham, ao trabalho, alimento, relacionamentos a Deus, mas quando começava a levantar as questões familiares: Bingo! No decorrer do processo surgiam os ressentimentos, mágoas e julgamentos, muitos destes bem justificados!

Abordar toda a complexidade dos emaranhamentos sistêmicos seja eles, familiares, organizacionais ou espirituais em um texto é um trabalho quase impossível. Mas podemos tratar do essencial de maneira e já perceber alguns resultados significativos. E o que é o essencial? Qual é o primeiro vínculo que o ser humano faz quando vem ao mundo: a Mãe, esta encaminha ou não a criança ao Pai.

O que recebemos de nossos pais que não tem preço? Seriam os cuidados, o carinho, atenção, o alimento, casa, roupas ou segurança? Não, muitos de nós não recebemos nada disto dos pais biológicos, mas existe algo de valor incalculável que eles nos deram: a vida! Conseguir ser realmente grato (a) a esta vida que recebemos de nossos pais é exercer de verdade a gratidão e colher assim os resultados desta postura na nossa vida.

Em alguns casos, os pais envolvidos que estavam com suas próprias dores, mágoas e traumas, cometem erros que geram muita dor e raiva nos filhos, que não conseguem perceber o que veio de bom. Uma prática que pode ajudar neste processo de cura, consiste em “deixar com os pais” a responsabilidade pelo mal que cometeram, não é perdoar, pois muitas vezes isto não é possível, mas deixar com eles o peso da responsabilidade pelo que cometeram.

O exercício precisa ser feito de maneira privada, em um local calmo, de olhos abertos ou fechados, o que for melhor para você! Imagine a sua frente a sua mãe e o seu pai, mesmo que não os tenha conhecido, olhe-os nos olhos e deixe vir à tona todos os sentimentos em relação a eles. Às vezes, ajuda muito se imaginar pequeno (a) talvez com 10 anos ou menos. Quando surgirem os sentimentos que podem ser mágoa, rejeição, medo, raiva ou insegurança, imagine que eles vão se transformar em um pacote, que você segura nas mãos. Um pacote pesado e ruim de segurar, e à medida que for transferindo estes sentimentos para este pacote ele cresce e se torna mais e mais pesado. Agora diga para os seus pais:

“- Eu deixo com vocês a responsabilidade pelo que vocês fizeram! Eu sou apenas a criança e vocês são meus pais!”

Coloque este pacote aos pés deles com respeito, pois seus pais fizeram o melhor que sabiam com o que tinham. Muitas das vezes não te deram o amor que você precisava, pura e simplesmente porque eles também não receberam! Olhe novamente para seus pais e quem sabe, agora livre do peso dos ressentimentos seja possível abraça-los, deitas no colo dos pais e deixar surgir um:

“- OBRIGADO (A) pela VIDA! Eu vou finalmente assumir esta vida no meu coração e fazer algo de bom com ela, pelo preço que me custou e pelo preço que custou a vocês: papai e mamãe!”

Deixe-se perceber como isto atua em seu corpo e em sua alma. Respire fundo e deixe-se sentir grato (a) pela vida que você recebeu de seus pais.

Em se tratando de organizações ou da espiritualidade a Constelação Sistêmica tem maneiras específicas para atuar e fazer com que a gratidão possa fluir nestas áreas da vida também.

 

Leia nossa indicação e post “Entenda como funciona um “relacionamento tóxico””

Siga nosso insta @PensarBemViverBem





Deixe seu comentário